Após três meses de quarentena por conta do novo coronavírus e as pessoas ficarem mais tempo em casa muita gente está repensando na questão do morar. É que agora a casa passou ser importante para todo mundo. Se antes as pessoas priorizavam a localização na hora de alugar ou comprar um imóvel, o que mais importa agora é espaço.

De acordo com um levantamento da imobiliária digital QuintoAndar feito com exclusividade para o Jornal Estadão, enquanto a busca por apartamentos e kitinetes ou estúdios caiu 6% e 10%, respectivamente, nos últimos três meses a demanda subiu 8% por casas na rua e 20% por casas de condomínio.

Por conta da pandemia, muitas pessoas estão trabalhando em casa, e esse tendência deve continuar mesmo após a completa reabertura da economia. Especialistas apontam que mais pessoas devem trabalhar remotamente, mesmo que seja alguns dias por semana. Com isso cresce a procura por imóveis mais amplos. As pessoas tendem a preferir ter um cômodo extra para montar um escritório.

Arthur Malcon, gerente executivo de estratégia do QuintoAndar, em entrevista ao jornal Estadão, afirmou que a pandemia fez as pessoas repensarem o lugar onde moram. “Quem está em home office pode ter sentido a necessidade de mais espaço para montar um escritório confortável, e quem passava muito tempo fora de casa talvez tenha sentido falta de mais espaço para uma área externa, um jardim.”

Ainda segundo na reportagem do Estadão a venda de casas também representou um aumento de 25% nos negócios para a plataforma digital Kzas. A procura por imóveis com mais de 90 metros quadrados dobrou de fevereiro para março, voltou a crescer em abril e está fazendo de junho o melhor mês do ano para a empresa, com duas vezes mais vendas do que em maio. No caso de imóveis com mais de 120 metros quadrados, a procura saltou de 15% em março para 30% agora. Casas espaçosas em condomínios com boa infraestrutura de lazer também entraram na mira do público.

Outra tendência, segundo especialistas do setor imobiliário, é que o desejo de morar perto do trabalho começa dar lugar para viver numa casa maior, com quintal, mesmo que seja em outra cidade. O tamanho do imóvel começa a ter mais peso na decisão de compra ou aluguel que a localização.